Ciclo de Formação de Gestores aborda fortalecimento da Universidade

A URI realizou, nesta sexta-feira (7), a 6ª edição do Ciclo de Formação Continuada para Coordenadores: Gestão Estratégica da Rede Colaborativa da URI. Professores e funcionários dos câmpus de Santo Ângelo e da extensão de Cerro Largo participaram da capacitação, que abordou diversas temáticas.

Na abertura do evento, o reitor da URI, professor Luiz Mario Silveira Spinelli, falou sobre a importância do fortalecimento da Universidade. “Temos que consolidar a URI como ela é. É a hora de refletir sobre nosso trabalho”, afirmou. Conforme o reitor, a URI tem feito grandes avanços, mas deve continuar se fortalecendo: “Hoje o dia é de trabalho com os setores, estreitar laços, encontrar e reencontrar colegas”.

Em seguida, o diretor-geral da URI Santo Ângelo, professor Gilberto Pacheco, realizou a acolhida dos visitantes. Para o diretor, o Ciclo de Formação é um momento importante para o preparo contínuo dos professores e funcionários. Ele também abordou o preparo da Universidade para enfrentar os desafios do atual momento econômico do país.

Na sequência, os docentes e técnicos-administrativos acompanharam a palestra “Universidade, Pesquisa e Propriedade Intelectual”, ministrada pela professora doutora Liliane Locatelli. Ela falou sobre as diferentes etapas de desenvolvimento de pesquisa na Universidade. Para a professora, uma das alternativas para o avanço da área na URI é o investimento em parcerias com empresas, buscando fomento público e privado.

A primeira palestra da tarde foi ministrada pelos pró-reitores da URI: de Ensino, professor doutor Arnaldo Nogaro; de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação, professor doutor Giovani Palma Bastos; e de Administração, Nestor Henrique de Cesaro. Eles abordaram o tema “Produção e Geração de Valores na Universidade”.

Inicialmente, o pró-reitor de Ensino, Arnaldo Nogaro, apresentou números sobre a produção científica da Universidade publicada em periódicos. “Além do pesquisador, a produção científica valoriza também nossa instituição. São pontos considerados nas avaliações da Universidade”, afirmou. Ele também destacou a importância do espírito colaborativo entre os profissionais.

O pró-reitor de Administração, Nestor Henrique de Cesaro apresentou números sobre investimentos da URI em Pesquisa e Extensão. Os dados dos últimos cinco anos mostram que foram investidos cerca de R$ 17,6 milhões em pesquisa e pelo menos R$ 17,1 milhões em extensão. Para Cesaro, isso mostra o estímulo dado aos estudantes e pesquisadores da Universidade, e a importância das áreas para a URI.

Os cenários de pesquisa foram abordados pelo pró-reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação, Giovani Palma Bastos. Ele falou sobre a evolução dos grupos, projetos e linhas de pesquisa. Para Giovani, a área de pesquisa ainda é muito restrita no campo universitário: “Precisamos avançar para que o trabalho chegue mais às empresas e à sociedade. Quase sempre as empresas não sabem o que a Universidade produz”.
A última palestra do Ciclo foi ministrada pelas assessoras pedagógicas da pró-reitoria de Ensino Márcia Caron dos Santos e Anelise Brod. Juntamente com  Núcleo de Acessibilidade do Câmpus, elas apresentaram o Programa Institucional de Inclusão e Acessibilidade da URI, com as professoras Márcia Caron dos Santos e Anelise Brod.

O programa busca apontar as condições necessárias para garantir o acesso e a permanência de alunos com deficiência, transtornos do espectro autista (TEA) e altas habilidades/superdotação na instituição.

Em seguida, os integrantes do NAE – Núcleo de Acessibilidade da URI, realizaram apresentação do trabalho desenvolvido desde sua implantação, em dezembro de 2015. Coordenado pela psicopedagoga Carina Streda, o Núcleo tem como integrantes o engenheiro Marcelo Posser, a psicóloga Kamila Perin, a Educadora Especial Débora Escobar, a técnica-administrativa e de apoio Liane Lucca, o professor e engenheiro eletricista Nelson Knak Neto, o analista de sistemas Marcos Costa, a representante do RH, Cideli Biosolor. O objetivo do Núcleo é oferecer à comunidade acadêmica suporte para participação efetiva na vida da Universidade por meio de acessibilidade não só pedagógica como também física, virtual e tecnológica.

Ao final do evento, o diretor acadêmico da URI Santo Ângelo, Marcelo Paulo Stracke, ressaltou a importância da troca de conhecimentos entre os profissionais:”foi um momento muito enriquecedor para nós, com grande troca de informações”. A diretora-administrativa do câmpus, professora Berenice Wbatuba, elogiou o trabalho do Núcleo de Acessibilidade, bem como o relato apresentado pela equipe.