Debate com alunos da Escola da URI fortalece a ideia de que deficiência não é incapacidade

Uma parceria entre o Núcleo de Acessibilidade da URI Santo Ângelo e a Escola de Educação Básica da URI reuniu, na tarde de segunda-feira, 24, alunos do 1º ano do Ensino Médio para debate sobre “inclusão de pessoas com deficiências”.

A atividade resultou de proposta articulada entre o Atendimento Educacional Especializado e os componentes curriculares de Língua Portuguesa e Redação.

O debate contou com a presença da mestre em Gestão Estratégica de Organizações e integrante do Núcleo de Acessibilidade Grace Kelly Scremin Holtz que, na oportunidade, compartilhou sua história de vida narrando seus desafios enquanto pessoa com deficiência, suas conquistas e seus projetos futuros. O trabalhou também contou com a participação do diretor da Escola da URI, Cristiano Weber, das professoras Débora Escobar e Sandra Mariani Batista, da coordenadora do Núcleo de Acessibilidade da URI, Carina Streda e da jornalista Gilda Karlinski.

Grace contou sua história observando que tem muito a agradecer. “Aos meus pais, que sempre acreditaram nas minhas possibilidades e, com outros familiares, me fizeram sentir incluída, seja no quotidiano do lar, nas brincadeiras infantis, nas festinhas de aniversário. Na escola e na faculdade, também tive a confiança e o auxílio de colegas e professores para continuar evoluindo. E então veio o primeiro emprego, aqui na URI, pelo qual sou grata. É muito bom sentir-se útil”.

A mestre Grace atua no Laboratório de Ciências Contábeis e na Inovação Júnior, além de integrar o Núcleo de Acessibilidade, onde auxilia com sugestões que visam melhorar a acessibilidade em geral no Câmpus.

Ao encerrar uma tarde de questionamentos e debates, ficou fortalecida a ideia de que a deficiência não pode ser considerada sinônimo de incapacidade.